Todos os posts em: Art

Kandinsky: tudo começa num ponto

Kandinsky é um pintor russo e foi o pai do abstracionismo no ocidente. Se você estudou algo de história da arte em algum momento, deve se lembrar que o pintor também foi professor da Bauhaus, escola vanguardista de design, arquitetura e artes plásticas. Fui à exposição Kandinsky: tudo começa num ponto sem procurar qualquer informação antes. Esperava encontrar suas obras de seu período da Bauhaus. Para meu engano, não havia pinturas desta época, mas sim o início do movimento abstracionista. Durante a exposição é possível conhecer obras de outros pintores contemporâneos de Kandinsky e que embarcaram em seus estudos de arte não-figurativa, como David Burliuk, Gabriele Münter, Mikhail Larionov e um único quadro de Melevich. O mais bacana da exposição é entender de forma concreta a gênese do movimento abstrato. Desde o culto dos camponeses russos a São Jorge pela crença de que ele protegia as terras e ajudaria em sua fertilidade, até a influência xamânica do norte da Rússia e da Mongólia. Aos 23 anos, Kandinsky viajou a Vologda e conheceu o povo Kómi e suas profundas …

Laura Makabresku

Laura é uma artista polonesa, nascida em 1987 e que hoje vive na Cracóvia. Conheci suas fotografias pelo DeviantArt. Sou especialmente encantada pelas fotógrafas do leste europeu, pois elas parecem ter uma áurea de sensibilidade que transparece para suas obras. No caso de Laura, contudo, o que a envolve é um filtro de morbidez, paixão, erotismo e inocência que me intriga e me faz querer observar cada detalhe de suas cenas. Ela se descreve como fotógrafa de contos-de-fadas, mas creio que seja mais que isso. Não é a lente que ela usa, nem a câmera de alta qualidade que fazem as fotos dela serem tão sensíveis e belas. É o olhar de Laura que me transporta para a casa ou para a floresta, que me faz sentir o frio de seu país, que me faz querer entrar em outra realidade. Veja todas as fotos publicadas por ela no blog lauramakabresku.blogspot.com.br.

Caravaggio

Michelangelo Merisi, ou simplesmente Caravaggio. Pintor retratista, a maioria dos quadros de cavalete os quais pinta cenas que remetem a relatos bíblicos e a uma brutalidade não vista antes de suas pinceladas. Creio ser um grande privilégio poder sair de minha casa, pegar um ônibus e logo estar ali no MASP, de frente com as obras de meu pintor favorito, assim, com tal facilidade. Carvaggio era considerado pintor de segunda categoria pela elite de grandes artistas romanos, os quais logo o esqueceram em detrimento de Remi e Poussin. Afinal, o que um assassino imundo, que anda com pobres e prostitutas, tendo gosto pelos jogos e confusões, haveria de fazer pintando quadros? Pois bem, Caravaggio pintou o sacro pelo profano. Usava de modelos para suas pinturas, contudo, aqueles vindos das camadas inferiores desta Roma cosmopolita do século XVII. Eram pessoas sujas, prostitutas, amantes, quando não o próprio. E ele retratava os rasgos das roupas, a sujeira dos dedos, as rugas da testa, a velhice, o podre dos frutos e o corpo de uma Maria, que não …